Vídeo | Despedida do comércio tem música ao vivo no calçadão e entidades se lamentando

No dia em que governo do estado restringiu comércio, população correu às compras; entidades questionaram decisão

Calçadão de Ribeirão Preto, principal ponto comercial da cidade - Fotos: Alexandre de Azevedo

Apesar da decisão do governo do Estado de fechar o comércio não essencial em Ribeirão Preto, o comércio de rua e os shoppings da cidade devem abrir normalmente na sexta-feira (12) e no sábado (13).  A medida do governo João Doria (PSDB) só vale a partir de segunda e, desde quarta-feira (10), houve uma correria de consumo nas lojas do Centro da cidade.

Vale lembrar que, nesta quinta-feira (11), o comércio não essencial permanecerá fechado por conta do feriado.

No início da tarde de quarta-feira, momentos depois do anúncio do fechamento iminente do comércio, foi possível encontrar pessoas caminhando tranquilamente pelo calçadão. Havia até música ao vivo e quem arriscasse passos de dança no Centro, sem se preocupar com o uso de máscaras.

Sobre o assunto, as entidades do setor comercial se manifestaram e declararam descontentamento com a medida. A medida também foi lamentada por consumidores, que criticaram tanto o prefeito Duarte Nogueira (PSDB) quanto o governador João Doria (PSDB). “Mais uma vez o governador está trabalhando contra a gente, que é comerciante”, disse Aparecida Soares, 56, dona de um estabelecimento comercial na Vila Tibério.

Houve, entretanto, quem comemorasse. “O governo, tanto o municipal quanto o estadual, já tinham errado em permitir a retomada. Agora, resolveram um problema que eles mesmos criaram”, afirma Igor Soleira, 42, professor.

Entidades

A Associação Comercial e Industrial de Ribeirão, por exemplo, afirmou que “em regiões com piores números tiveram a classificação mantida, enquanto a cidade de Ribeirão Preto foi rebaixada”.

“A Acirp entende que os comerciantes cumpriram com seu papel na reabertura, respeitando todos protocolos sanitários determinados, e segue defendendo que seja realizada uma comunicação clara e antecipada de indicadores evolutivos para que o plano proposto pelo governo do Estado seja de fato efetivo”, declarou, em nota. A entidade informou ainda que a decisão pegou “desprevenidos milhares de empreendedores que, quando da decisão pela reabertura, se viram obrigados a resgatar o relacionamento com seus fornecedores, investir na adequação aos protocolos sanitários e redefinir relações trabalhistas”.

O Sindicato do Comércio Varejista de Ribeirão Preto e Região (Sincovarp) e a Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) também lamentam a classificação da região de Ribeirão Preto. “Seja trabalhando no Grupo de Transição e Retomada onde representamos o Comércio Varejista, na campanha de conscientização junto com entidades parceiras seja realizando ações práticas para ajudar a alavancar vendas no setor lojista, não vamos desistir! E a população precisa ajudar também!”, afirma Paulo César Garcia Lopes, presidente das instituições. 

Nenhuma postagem para exibir