Motoristas do transporte público ameaçam greve em Ribeirão Preto

Classe quer ser prioridade na fila para vacinação contra a Covid-19, em nota Secretaria Municipal da Saúde afirmou seguir calendário estadual

Motoristas do transporte público de Ribeirão Preto ameaçam greve a partir do dia 20 de abril, caso não entrem na fila de prioridade para vacinação contra a Covid-19. A iniciativa é liderada pela Federação dos Trabalhadores em Transporte Rodoviário do Estado de São Paulo (FTTRESP) que tem movido motoristas e sindicatos de todas as cidades do estado a aderirem à greve. 

A manifestação pretende contar com a participação dos 645 municípios de São Paulo, e convida motoristas de carro por aplicativo, motoboys, caminhoneiros e outros trabalhadores de transporte que também estão insatisfeitos com a ausência de vacinas.

Em Ribeirão Preto, o movimento é liderado pelo Sindicato dos Motoristas que, de acordo com o vice presidente da associação, Alcides Lopes, pede para que a Prefeitura Municipal e a Transerp aumentem a fiscalização sanitária dos terminais rodoviários a fim de garantir  o cumprimento das medidas de contenção ao vírus, como o distanciamento social e a redução de aglomerações.

Confira entrevista de Correa Júnior com motoristas

“Desde quando começou a pandemia o Sindicato vem batendo nesta tecla. A gente sempre pediu 100% da frota na rua, até para o bem estar da população e do usuário do transporte, mas infelizmente a fiscalização da Transerp e do poder público não tomou providências cabíveis nesse sentido”, conta.

Para a FTTRESP, a classe também faz parte da linha de frente da Covid-19 e, por isso, merece ser prioridade na fila para a imunização. “Chegamos ao limite da nossa paciência. Estamos assistindo nossos colegas morrendo por estarem exercendo a sua profissão. As empresas continuam lucrando, despreocupadas com a vida de seus funcionários, portanto são solidariamente responsáveis por esse caos”, disse Valdir de Souza Pestana, presidente da federação.

Confira entrevista de Correa Júnior com Alcides Lopes, vice presidente do Sindicato dos Motoristas

De acordo com levantamento feito pelo Sindicato dos Motoristas e Trabalhadores em Transporte Rodoviário Urbano de São Paulo (SindMotoristas), cerca de 131 motoristas e colaboradores morreram em decorrência do vírus, somente na cidade de São Paulo. Segundo Lopes, em Ribeirão Preto já foram nove mortes, uma delas na última segunda-feira (5). 

“Quem está na linha de frente é o motorista. É ele quem vai receber toda a carga do vírus durante o dia inteiro de trabalho”, afirma o presidente do Sindicato dos Motoristas, “é uma preocupação muito grande, tendo em vista que chegamos a um colapso. Estamos buscando providências a fim de que a prefeitura mande a vacina para nós, pois precisamos disso para ontem, é urgente”.

Após a solicitação, a FTTRESP, junto aos demais sindicatos, deu um prazo de até o dia 15 de abril para que o Governo do Estado e as prefeituras liberem a vacinação para os motoristas municipais e rodoviários trabalharem com segurança e, caso contrário, prometem um “lockdown” do transporte público a partir do dia 20. 

Em nota, a Secretaria Municipal de Saúde de Ribeirão Preto informou que segue o cronograma do estado de São Paulo.

Nenhuma postagem para exibir