Médicos e secretaria de educação alertam contra desafio da rasteira

Brincadeira já fez vítima fatal em Mossoró; campanha tenta conscientizar alunos e professores

Depois que uma adolescente de 16 anos morreu, em Mossoró, no Rio Grande do Norte, depois de realizar o chamado desafio da rasteira, a Secretaria de Educação de Ribeirão Preto emitiu um comunicado alertando os diretores sobre a prática.

O desafio precisa de três pessoas para ser realizado. Em linha reta, as duas pessoas nas laterais saltam de forma sincronizada enquanto a do meio espera. Quando ambos tocam o solo, chega a vez da pessoa do meio pular. Nesse momento, ela é surpreendida por uma rasteira no momento em que está no ar, caindo.

No caso de Mossoró, a jovem Emanuela Medeiros acabou batendo a cabeça no chão e não resistiu ao impacto. Sobre o assunto, a Sociedade Brasileira de Neurocirurgia (SBN) chegou a emitir um comunicado oficial onde condena a prática.

“O que parece ser uma brincadeira inofensiva é gravíssimo e pode terminar e óbito. Os responsáveis pela brincadeira de mal gosto podem responder penalmente por lesão corporal grave e até mesmo homicídio culposo”, disse a SBN, em nota.

As escolas já estão cientes do perigo da brincadeira e já tomam providências para acabar com o desafio, já que a grande maioria dos participantes são crianças e adolescentes.