Justiça determina abertura das urnas em eleição do Sindicato dos Servidores

Urnas estavam lacradas desde 5 de fevereiro; oposição promete recorrer

A Justiça do Trabalho de Ribeirão Preto determinou, nesta quarta-feira (4), a abertura das urnas na eleição do Sindicato dos Servidores. O pleito ocorreu em 5 de fevereiro e, desde então, por determinação judicial, as urnas foram guardadas sem que os votos tivessem sido contados.

O pleito é contestado por uma ação judicial envolvendo as duas chapas de oposição à atual gestão, que pedem a nulidade da votação. Elas acusam a atual gestão, comandada por Laerte Augusto, de fraude. As chapas de oposição, autoras do pedido, prometem recorrer ao TRT (Tribunal Regional do Trabalho) para pedir a reforma da decisão e a nulidade da votação.

Em comunicado, o Sindicato informou que “dará continuidade ao processo eleitoral com a abertura das urnas e contagem dos votos através de três mesas coletoras, com um total de nove escrutinadores, com início dos trabalhos às 9h” desta quinta-feira.

Sem voto

Em um primeiro momento, a Justiça chegou a determinar a suspensão de todas as atividades relacionadas à eleição a partir das 0h do dia 5 de fevereiro, mas a decisão, proferida pela magistrada Márcia Mendes, acabou modificada. A nova decisão determinou que a votação acontecesse normalmente, mas suspende a apuração e determina que as urnas sejam enviadas à Justiça. Com a nova decisão, as urnas podem ser abertas.

Procurado, Wulf Galkowicz, candidato a presidente pela chapa SindTodos, afirmou que a decisão é “surpreendente”. “Sob fundamento de que a não presença de mesários e fiscais no processo eleitoral não se deveu a negativa da Diretoria do Sindicato mas sim por decisão das próprias Chapas de oposição prossegue o processo eleitoral com a reeleição da atual diretoria. Com tal decisão espera-se para os próximos dias a apresentação de recurso ao Tribunal Regional do Trabalho, em Campinas”, disse.