Em 4 meses, queimadas consomem 700 campos de futebol em Ribeirão

Cidade está em estado de alerta para o risco de incêndio. Segundo o Corpo de Bombeiros, entre junho e setembro foram 363 casos de queimadas

Dados estatísticos de incêndio em vegetação divulgados pelo Corpo de Bombeiros mostram que, até o dia 20 de setembro deste ano, Ribeirão Preto teve 551 registros de queimadas. A maior parte dos casos se concentrou no período de maior estiagem. Deste total, 363 aconteceram entre junho e setembro. Nestes 4 meses, foram 678 hectares de área queimada, o que equivale a mais ou menos 700 campos de futebol. “Este ano estamos acima da média, é um ano atípico”, afirma o capitão Gustavo Henrique Rissato da Silva, PM do Corpo de Bombeiros.

Para tentar controlar a situação, ele afirma que há um plano de contingência preparado para atender este aumento no número de chamados. Ele ainda orienta que já nos primeiros indícios de incêndio, é preciso acionar o 193. “Ao visualizar um foco de incêndio, acione o Corpo de Bombeiros. Quanto antes a gente chegar, menor a proporção e menores os danos. Evite fazer o combate sozinho, que isto pode ser mais perigoso”, diz o capitão Henrique.

Se o incêndio for perto de residências e não for possível deixar a casa de imediato, a dica é escolher um cômodo com menos móveis para queimar, proteger as narinas e ficar próximo ao solo já que a fumaça se concentra mais na parte alta.

Já em episódios de incêndios em rodovias, a orientação é ter muita cautela. “Primeiramente diminua a velocidade. Mas não pare de forma alguma nas faixas de rolagem da rodovia. Se tiver alguma forma de visualizar que dá para passar com segurança, passe de forma lenta. Se não puder, diminua a velocidade e assim que possível, encoste o veículo no acostamento com as luzes de alerta ligadas”, explica o PM.

O impacto destas queimadas para o meio ambiente é imenso segundo o professor e educador ambiental Edmur Manfrin. “Está tendo uma redução muito grande na biodiversidade vegetal e animal na nossa região por conta de todo este fogo”, lamenta o professor.

Ele explica que entre as consequências das queimadas estão possíveis chuvas ácidas, aumento das temperaturas e um prazo de até 70 anos para recuperar a vegetação. Por isto, acha necessário mais rigor na punição dos episódios de queimadas. “São tantos danos que o fogo causa ao meio ambiente que, por mim, como biólogo, deveria ser transformado em lei de ato terrorista quem faz isto”, diz Manfrim.

O Bosque Fábio Barreto está resgatando animais vítimas das queimadas em Ribeirão Preto. Nos últimos 7 dias, eles tiraram destas áreas devastadas pelo fogo, periquito-de encontro, choca-barrada, ouriço-cacheiro, jiboia-cinzenta, tucano-toco, beija-flor, urubu-de cabeça-preta e bem-te-vi. Foi resgatado um animal de cada espécie.

Mas as frequentes queimadas que ocorrem em Ribeirão Preto também estão prejudicando a saúde. Segundo o pneumologista Júlio César Bruno, a inalação da fumaça proveniente das queimadas pode trazer graves problemas já que se trata de uma fumaça tóxica. “Nós temos a presença do monóxido de carbono que acaba entrando dentro do pulmão e do pulmão vai para a corrente sanguínea. Isto causa uma intoxicação e o paciente acaba não conseguindo fazer a troca gasosa”, informa o pneumologista.

Ele afirma também que as queimadas pioram ainda mais a umidade do ar que neste período do ano já é ruim, afetando mais idosos e crianças, em especial, aqueles abaixo de 5 anos e acima de 65. “Além de estar inalando esta fumaça, nós temos a umidade relativa do ar muito baixa e nós temos os fenômenos de inversão térmica”, explica o médico.

A dica para amenizar os efeitos nocivos da fumaça é usar máscara, limpar as narinas com frequência e reforçar a hidratação.

Nenhuma postagem para exibir