Denúncia: Grupo Thathi registra ocorrência de abandono da praça Francisco Schmidt

Mais um dos ribeirão-pretanos que estão indignados com a situação da praça Francisco Schmitt, que atualmente está descuidada e enfrenta um triste problema social

Figueira pega fogo novamente nesta sexta (13) Foto: Ed Santos

O Grupo Thathi recebeu uma denúncia na última sexta-feira (17), do empresário e morador da Vila Tibério, Diego Wolg, que é mais um dos ribeirão-pretanos indignados com a situação da praça Francisco Schmitt, localizada próximo ao centro de Ribeirão. 

O local, que já foi ponto de encontro de moradores da região, atualmente está descuidado e enfrenta um triste problema social: o número cada vez maior de pessoas em situação de rua. 

“Eu sempre vi a praça como um cartão postal de Ribeirão Preto, porque a gente tem a rodoviária que é logo do lado. Então, qualquer pessoa que chega na rodoviária, a primeira impressão que ela tem é a visão da praça. Para ela não ficar descuidada, eu quero buscar recursos e trabalhar para suas melhorias”, comenta o empresário.

Francisco Schmitt foi um dos grandes reis do café, logo no início da república. Empresário de grande importância para Ribeirão Preto e que dá nome à praça. 

“Francisco Schmitt foi um nome de grande importância. Ele tinha milhões de pés de café. É uma figura histórica da cidade. Da forma como tratam a praça é um desrespeito à história, à geografia, e aos moradores de Ribeirão Preto”, afirma o professor de humanidades, Gilberto Abreu.

Um dos problemas marcantes do local é o incêndio na grande figueira que existia ali. O professor de biologia, Edmur Manfrim, explica as causas e o impacto dessa devastação que tem tomado conta do lugar.

“Não foi feito um projeto para melhorias de plantações no início do crescimento da cidade. As árvores estão lá, algumas centenárias. Certamente estão plantadas em um lugar impróprio, inclusive. Há casos em que muitas estão quebrando o piso das calçadas”, conclui o professor.

Nenhuma postagem para exibir