Na retomada do comércio, calçadão lotado e explosão de casos e mortes por covid dão o tom

Qual a justificativa para as cenas impressionantes de aglomeração nesta semana?

Desde segunda (01), o comércio e alguns serviços tiveram liberação para funcionar em Ribeirão Preto, com a publicação do decreto do governador João Doria, com a chamada Retomada Consciente, a cidade está na fase laranja, o que significa que é possível a abertura com restrições.

Mas com a retomada das atividades econômicas, a população invadiu as ruas do centro. Algumas lojas tiveram até fila na porta já que há uma restrição sobre número de pessoas no interior das mesmas, com a lei determinando que é permitido funcionar com apenas 20% da capacidade de cada estabelecimento.

Segundo Paulo Cesar Garcia Lopes, presidente do Sincovarp (Sindicato do Comércio Varejista de Ribeirão Preto), a explicação para tanto movimento é justificada pelo tempo curto de funcionamento das lojas. “Esse horário de 4 horas não atende a necessidade da maioria das empresas.

Uma cidade de 700 mil habitantes, com comércio forte e pungente, que atende toda a região, com certeza a gente saberia que aconteceria aglomeração. Então, a gente foi contra estas 4 horas desde o início. Infelizmente coube a nós seguir esta legislação absurda de colocar 4 horas”, afirma o presidente do Sincovarp.

Pelo decreto estadual, o comércio pode funcionar por 4 horas ininterruptas. Para a psicóloga Clarice Skalkowicy, o movimento visto nos últimos dias no comércio pode ser explicado pela incerteza do tempo que a pandemia vai durar. “Existe uma falta de perspectiva de fim de quarentena. Então isto faz com que as pessoas fiquem compulsivas em relação a algumas coisas. Existe mesmo um consumo desenfreado dentro da nossa cultura.

O ato de comprar é até algo terapêutico, então as pessoas saem de casa para comprar uma blusinha, é algo da rotina do brasileiro. Diferente da cultura europeia onde as pessoas consomem menos, onde é menos importante ter a roupa nova e mais importante ver uma peça de teatro”.

Segundo o infectologista Luiz Fernando Baqueiro, o momento pode contribuir para aumentar casos. “O risco que acontece nas aglomerações, quando não se consegue manter o distanciamento necessário, é de transmissão. Certamente a disseminação vai acontecer se tiver aglomerações”, declarou o médico.

Assustado com o fluxo intenso no comércio, ele ainda faz um alerta. “Você pode encarar como algo corriqueiro, mas isto não quer dizer que você possa relaxar”. Já a opinião da população, você confere no vídeo abaixo:

Números da pandemia em Ribeirão Preto

A reabertura do comércio e este intenso vai e vem nas ruas coincide com o crescimento do número de casos de Covid-19 na cidade.

O boletim epidemiológico divulgado na tarde de sexta (05) registrou 1563 casos confirmados e 36 mortes.

Acompanhe nos gráficos, a evolução da doença em Ribeirão Preto.

Nenhuma postagem para exibir