A greve continua: Audiência entre sindicato e empresas de ônibus termina sem acordo

Justiça convocou uma nova reunião para a próxima terça-feira; frota seguirá reduzida até a nova rodada de negociações

Linhas seguirão com operação parcial até a próxima rodada de negociações - Foto: Eder Martins

Terminou sem acordo a audiência de conciliação realizada hoje (22) pela Justiça do Trabalho entre o consórcio PróUrbano, que opera o transporte coletivo de Ribeirão Preto, e o sindicato que representa os motoristas, em greve desde terça-feira (21). Uma nova rodada de negociações está marcada para a próxima terça-feira (28). Até lá, as linhas seguirão operando de forma parcial.

A realização da audiência foi determinada pelo desembargador Francisco Peixoto Giordani, do Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região, que concedeu uma liminar para determinar a manutenção de 50% da frota em horários de pico e 35% nos demais períodos.

Os dois lados se sentam à mesa novamente na próxima terça-feira para tentar pôr fim à greve. Os trabalhadores pedem a extensão ao vale-alimentação e à PLR (Participação nos Lucros e Resultados) do reajuste de 12,47% concedido pelas empresas de ônibus nos salários da categoria.

Em nota, o PróUrbano descartou mudanças na proposta. “O Consórcio PróUrbano não tem mais condições de avançar em valores nas negociações, fez todos os esforços possíveis para não deixar a população sem atendimento, chegando ao percentual máximo de 12,47% de reajuste no salário, nesse período crítico em que vive o país, bem como todo o sistema de transporte”, diz o texto.

realização da audiência foi determinada pelo desembargador Francisco Peixoto Giordani, do Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região, que concedeu uma liminar para determinar a manutenção de 50% da frota em horários de pico e 35% nos demais períodos.

Os dois lados se sentam à mesa novamente na próxima terça-feira para tentar pôr fim à greve. Os trabalhadores pedem a extensão ao vale-alimentação e à PLR (Participação nos Lucros e Resultados) do reajuste de 12,47% concedido pelas empresas de ônibus nos salários da categoria.

Em nota, o PróUrbano descartou mudanças na proposta. “O Consórcio PróUrbano não tem mais condições de avançar em valores nas negociações, fez todos os esforços possíveis para não deixar a população sem atendimento, chegando ao percentual máximo de 12,47% de reajuste no salário, nesse período crítico em que vive o país, bem como todo o sistema de transporte”, diz o texto encaminhado ao Portal Thathi.

Nenhuma postagem para exibir