Vendedor de carros é acusado de tentar matar o chefe com saliva contaminada por Covid-19

O funcionário comprou a saliva de uma pessoa com sintomas do novo coronavírus e a misturou na bebida que o proprietário da concessionária iria tomar. No entanto, um outro funcionário alertou a vítima sobre a tentativa transmissão

Imagem ilustrativa - foto: Rede social
Continua depois da publicidade

Um vendedor de carros, identificado como Ramazan Cimen, foi acusado de tentativa de assassinato após contaminar o copo de bebida do seu chefe, identificado como Ibrahim Unverdi, com saliva contaminada pelo vírus da covid-19, em Adana, na Turquia.

Cimen comprou a saliva de uma pessoa com sintomas do novo coronavírus e a misturou na bebida que o proprietário da concessionária iria tomar. No entanto, um outro funcionário alertou a vítima sobre a tentativa de transmissão.

Segundo informações, a tentativa foi motivada pela relação entre os dois, que estava estremecida. De acordo com o site Hurriyet, da Turquia, o dono da concessionária deu uma alta quantia financeira proveniente da venda de um carro para Cimen levar ao escritório.

O homem, porém, sumiu com o valor e só apareceu dias depois, afirmando que havia transferido o dinheiro para um agiota, pois estava devendo. Não contente, Cimen ainda pagou pela saliva de uma pessoa infectada por coronavírus e tentou contaminar a bebida.

Unverdi, por sua vez, denunciou o caso à polícia e à imprensa como tentativa de assassinato e recebeu ameaças de morte do funcionário por mensagem. “Não pude te matar com o vírus. Vou atirar em sua cabeça da próxima vez”, escreveu Cimen.

“É a primeira vez que ouço falar de uma técnica de assassinato tão bizarra. Graças a Deus não fiquei doente”, disse a vítima. “Eu preferia que ele me matasse em vez de tentar me infectar com o vírus. Minha mãe e meu pai têm uma doença crônica. Se ele me infectasse com covid-19, eu poderia ter infectado minha família e as pessoas ao meu redor. Pelo menos se ele atirasse na minha cabeça, eu seria o único a morrer. Não há necessidade de ser tão mau”, justificou.

Unverti entrou com uma ação criminal por tentativa de assassinato e ameaça de morte contra seu funcionário, que também foi demitido. “Graças a Deus, o escritório do promotor me deu proteção e agora eles estão procurando por Cimen”, concluiu.

*Contém informações de Uol.

Nenhuma postagem para exibir