Nuvem de gafanhotos vinda da Argentina ameaça agricultura brasileira

Praga já destruiu plantações no Paraguai e na Argentina

Nuvem de gafanhotos passando por um terreno - foto: Redes sociais

Uma nuvem de gafanhotos, formada no Paraguai e vinda da Argentina, ameaça a agricultura brasileira da região Sul do país. Os estados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul estão em alerta para uma possível chegada da praga.

A nuvem de gafanhotos está a 130 km do Brasil, segundo o último levantamento divulgado pelo governo argentino. O principal foco dos insetos são as grandes plantações. No Paraguai, local onde o enxame surgiu, plantações de milho foram destruídas. Na Argentina, as plantações de cana-de-açúcar e mandioca também foram atingidas.

O enxame de insetos tem capacidade de deslocamento em 150 km por dia, mas ainda não é certeza que a praga chegará no sul do país, já que a mesma também se encontra à 130 km do Uruguai, país com os índices climáticos mais favoráveis para os gafanhotos.

Os insetos têm um mecanismo genético de gregarismo, ou seja, vivem agregados. O comportamento considerado normal por agrônomos tem como finalidade a reprodução da espécie, potencializando o aumento da população.

Após o período de reprodução, a tendência é que o grupo se disperse, estabilizando então o nível populacional. Para o governo, os fatores que levaram o ressurgimento da praga ainda precisa ser avaliado por especialistas, mas podem estar relacionados com fatores climáticos, índice pluviométrico e dinâmica dos ventos.

De acordo com informações do G1, o governo brasileiro estuda o uso de mais de 400 aviões agrícolas para controlar o enxame de insetos, caso o mesmo venha atingir o país. O Brasil possui a segunda maior frota de aviação agrícola do mundo, com 2.280 aeronaves, sendo 2.265 aviões e 15 helicópteros.

Ministério da Agricultura

O Ministério da Agricultura declarou estado de emergência fitossanitária nas regiões de Santa Catarina e Rio Grande do Sul após uma nuvem de gafanhotos, vinda da Argentina, ameaçar os estados brasileiros.

A portaria foi publicada nesta quinta-feira (25), no Diário Oficial da União, e foi assinada pela ministra Tereza Cristina da Costa Dias. 

Declara estado de emergência fitossanitária relativo ao risco de surto da praga Schistocerca cancellata nas áreas produtoras dos Estado do Rio Grande do Sul e Santa Catarina, para implementação do plano de supressão da praga e adoção de medidas emergenciais”diz trecho da portaria publicada.

Como recomendado pelo Ministério, as Superintendências Federais de Agricultura e os órgãos estaduais de Defesa Agropecuária realizam o monitoramento das lavouras e orientam os agricultores do Rio Grande do Sul a adotarem eventuais medidas de controle da praga, caso a nuvem chegue ao Brasil.

*Contém informações de G1

Nenhuma postagem para exibir