Governo de SP assina acordo de cooperação com Estados Unidos

Um grupo de trabalho, formado por técnicos dos dois países, será formado nas próximas semanas

Foto: Governo do Estado de São Paulo

Na tarde desta quinta-feira (1º), o Governador João Doria e o Secretário de Relações Internacionais, Julio Serson, reuniram-se com o Embaixador dos EUA no Brasil, Todd Chapman, e o Cônsul-Geral dos EUA em São Paulo, Adam Shub, e assinaram um extenso protocolo de intenções para o desenvolvimento de projetos conjuntos entre São Paulo e o governo norte-americano nas áreas de educação, saúde, ciência e tecnologia, segurança pública, comércio e investimentos, agricultura e turismo.

Também estiveram presentes no encontro a Secretária de Desenvolvimento Econômico, Patrícia Ellen, o Secretário Executivo de Relações Internacionais, Embaixador Affonso Massot, e o Presidente da InvestSP, Wilson Mello.

“A relação entre o Consulado dos Estados Unidos em São Paulo e o Governo paulista é formada por parceiros capacitados, qualificados e interessados em agir e fomentar as relações bilaterais”, afirmou Doria.

“São Paulo tem a maior economia e maior população do país. É também o principal ponto de entrada de pessoas e mercadorias do Brasil, assim como o principal centro de educação. Portanto, faz todo sentido intensificarmos parcerias para aumentarmos as oportunidades e melhorarmos a qualidade de vida de nossos cidadãos”, disse o embaixador Todd Chapman.

Para dar início ao acordo será criado um Grupo de Trabalho, composto por representantes do Consulado e da Embaixada dos EUA, além de técnicos das respectivas secretarias de Estado relacionadas às áreas mencionadas. A expectativa é que as atividades deste grupo sejam iniciadas já nas próximas semanas.

Na área de segurança, EUA e São Paulo devem intensificar projetos de treinamento policial e intercâmbio de práticas de gestão em sistemas prisionais.

Em saúde, os dois governos pretendem manter o foco no combate aos efeitos da COVID-19, tanto na saúde quanto na economia do estado de São Paulo, depois da doação de milhares de dólares para o Brasil em 2020 por parte de empresas americanas e do governo dos Estados Unidos.

Na área de educação, a intenção é expandir projetos já existentes e desenvolver novos em ensino de inglês e formação de professores, desenvolvimento de currículos, educação midiática e Ciências, Tecnologia, Engenharia, Artes e Matemática (STEAM).

Já na área de comércio e investimentos, São Paulo, como capital financeira do Brasil, terá forte papel na meta de dobrar o comércio entre os dois países nos próximos cinco anos. Em 2019, empresas americanas implementaram 42 projetos de investimento em São Paulo no valor de R$ 22,5 bilhões, mais do que qualquer outro país.

“O dia de hoje representa um marco nas relações entre o Estado de São Paulo e os EUA. A parceria que já existia entre os nossos governos avança ainda mais, com o propósito de intensificar a cooperação e os fluxos comerciais e culturais entre as nossas regiões”, afirmou o secretário Júlio Serson.

Outras parcerias

Este é o segundo memorando assinado entre Estados Unidos e o governo de São Paulo, com validade até dezembro de 2022. O primeiro foi em 2013 e teve duração de três anos, gerando uma série de parcerias, incluindo treinamentos e visitas técnicas na área de segurança, intercâmbios de professores e ensino de inglês.

Entre 9 e 13 de março deste ano, por exemplo, instrutores do FBI ministraram o curso Post-blast Investigator’s School na sede do Grupamento de Operações Táticas Especiais (GATE), a agentes da Polícia Civil, Polícia Técnico-Científica e Polícia Federal possibilitando o networking com estas forças policiais. Na ocasião, equipes do FBI visitaram a sede do Centro de Operações da Polícia Militar (COPOM) para conhecer o sistema inteligente de monitoramento de câmeras do Estado.

Nenhuma postagem para exibir