Depois de nove anos de espera, começa o julgamento da boate Kiss

Começa nesta quarta-feira (1°) o julgamento dos sócios da boate Kiss; eles respondem pelas mortes de 242 pessoas e pelas tentativas de homicídio de outras 636 em janeiro de 2013

Nesta quarta-feira (1°) começa o julgamento dos quatro réus acusados do incêndio na boate Kiss, em Santa Maria, interior do Rio Grande do Sul. A audiência acontece 9 anos depois da tragédia que vitimou 242 pessoas.

Os réus são julgados em Porto Alegre pelas mortes de 242 pessoas e pelas tentativas de homicídio de outras 636 em janeiro de 2013. O júri popular deve durar duas semanas e entre os 150 jurados sete serão sorteados para decidir se os sócios da boate, Elissandro Spohr e Mauro Hoffmann, e os integrantes da banda Gurizada Fandangueira, Marcelo dos Santos e Luciano Leão, são culpados pelos crimes de homicídio e tentativa de homicídio por dolo eventual. 

As sessões são diárias e começam às 9h até às 23h. O julgamento tem diversas etapas, sendo a primeira a escolha dos sete membros do júri, os integrantes podem ser vetados num limite de até três membros pela defesa e pelo Ministério Público.

A segunda fase conta com o depoimento de 14 sobreviventes do incidente, eles serão ouvidos e questionados pelo juiz, pelo MP, pelo assistente de acusação e pela defesa. Depois 19 testemunhas passarão pelo mesmo processo que os sobreviventes e para finalizar os os réus serão interrogados, seguindo os mesmos critérios das duas últimas etapas.

Quando finalizado os interrogatórios, as partes interessadas começam a sustentar suas versões para os jurados. Após a fase de debate o juiz questiona se os jurados precisam de outros esclarecimentos, não havendo dúvidas a votação é iniciada.

Caso ocorra a condenação dos réus o juiz é responsável por calcular as sentenças.