Clima esquenta e Bolsonaro chama Dória de demagogo em reunião com governadores

Tucano criticou declarações do presidente em pronunciamento realizado na terça-feira (24)

Foto: Reprodução

Antecipando o que deve ser a tônica da campanha eleitoral de 2022, o presidente Jair Bolsonaro e o governador João Dória (PSDB) bateram boca, nesta quarta-feira (25), em reunião dos governadores do Sudeste com o presidente para tratar das medidas de prevenção à disseminação do coronavírus. Na ocasião, Dória lamentou a fala de Bolsonaro, proferida na noite de ontem, e o capitão do Exército chamou o político paulista de “demagogo”.

Na reunião, estiveram presentes, virtualmente, os governadores de São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo e Minas Gerais, além do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta. Doria começou sua fala “lamentando” os termos do pronunciamento de Bolsonaro na véspera em rede nacional de rádio e TV. “O senhor, como presidente da República, tem de dar o exemplo, e tem de ser o mandatário para comandar, para dirigir, para liderar o País, e não para dividir”.
Defendendo a atuação dos governadores, criticados por Bolsonaro no dia anterior, Doria afirmou que a prioridade é “salvar vidas”. “Nós estamos preocupados com as vidas, salvar vidas de brasileiros”.

Sem meias palavras, Bolsonaro devolveu a fala com críticas severas ao governador paulista. Segundo o capitão do Exército, Dória “aproveitou-se do meu nome para se eleger governador” e fez alusão ao ex-governador Geraldo Alckmin, afirmando que é normal, na trajetória política do tucano, “virar as costas e atacar covardemente aquele que emprestou o seu nome” para criar a carreira política do tucano.

“Guarde essas suas observações para as eleições de 2022, onde Vossa Excelência poderá destilar todo o seu ódio e demagogia”, disse. “Desde o final das eleições de 2018 Vossa Excelência assumiu uma posição completamente diferente da que teve comigo”, afirmou. “Subiu à sua cabeça a possibilidade de ser presidente da República. Não tem responsabilidade. Não tem altura para criticar”, criticou.

Bolsonaro chegou a elevar o tom de voz, chamando as críticas de Dória de “levianas”. “Queremos sim preservar os idosos, mas não aceitamos demagogia barata”, disse Bolsonaro, que ainda declarou não reconhecer Dória como porta-voz dos demais governadores. “Governador João Doria, faça sua parte, o governo federal está pronto para comandar como sempre fez. Vossa Excelência foi quem fechou a porta para nós”, afirmou.