Acesse também: NOVA BRASIL    TVTHATHI   DIFUSORAFM   79AM

AO VIVO

Rádio 79 AM

RIBEIRÃO PRETO – SP





[MEC id="24849"]

HomeBlogParabólicaO cravo, a ferradura e a omissão

O cravo, a ferradura e a omissão

José Fernando Chiavenato, jornalista das antigas, que tenta enxergar o Brasil sem miopia política ou catarata social


DUARTE NOGUEIRA É APENAS PREFEITO. Tente convence-lo de que não é Deus! A doçura de campanha já foi esquecida. Hoje é, novamente, o iceberg que governa a mais rica e importante região administrativa do país. Sem precisar acenar ao povo, cumprimentar gente da zona norte ou fingir-se aliado do cidadão comum, dispensa qualquer contato com o zépovinho. Mais uma vez demonstra isso com atitudes administrativas. Age como os velhos barões do café, com a consciência de que manda quem pode e obedece quem tem juízo. A velha política está de volta.

NOGUEIRA ACERTA QUANDO JUNTA a obediente, servil e imperturbável imprensa tupiniquim para ameaçar decretar zona vermelha, diante de números tão catastróficos e desumanos. Ostenta consternação e quase indignação com a falta de contribuição da população. Fala em mortes desnecessárias e internações além do limite esperado. Tem a certeza de ser aplaudido pela consciência popular. As palavras e os acertos morrem por aí, vítimas de inanição e teatralismo.

NOGUEIRA VOLTA A ERRAR FEIO quando mostra a verdadeira cara de um governo insensível e indiferente. Ao mesmo tempo em que promete endurecer o jogo e promover restrições necessárias, suspende o período de vacinação por, pelo menos, quatro dias. Desrespeita a vida, sepulta esperanças e pratica o pior dos exemplos que nem mesmo seu mais cruel adversário poderia esperar. Decreta ponto facultativo um carnaval que não existe e que, pelo Governo do Estado, é nosso inimigo número um.

NOGUEIRA NÃO É BURRO; É APENAS um reizinho com pretensões de divindade. Julga-se acima do bem e do mal. Suas confusas explicações dispensam comentários. São contraditórias com a triste realidade à qual estamos expostos. Se tivesse ouvidos ou assessoria, poderia ouvir e enxergar melhor as precisões desse momento. E ver o quanto torna-se pequeno e ridículo diante do oceano de necessidades pelo qual navegamos. O prefeito organiza mal sua tripulação e pessimamente orienta seu próprio destino.

RIBEIRÃO PRETO MARCHA NA CONTRAMÃO. Subserviente, inconsequente e pálida, a Câmara não se faz ouvida neste momento. Não houve uma voz que denunciasse o crime político da omissão. Só mesmo o Chapolim Colorado para nos salvar.

- Advertisment -
José Fernando Chiavenato
Jornalista e escritor