Fastilento e Sibilino

José Fernando Chiavenatto, é jornalista

VINTE E DOIS ESPELHOS AMANHECERAM rachados e comprometidos na manhã de hoje. Bastou-lhes a pergunta doméstica de cada um de nossos vereadores: “Espelho, espelho meu; há alguém mais inútil do que eu”? Não há reflexo que suporte tamanha humilhação. A Câmara de nossos supostos representantes é hoje um amontoado de zés-ninguéns que mal sabem o que fazem diante da outrora grandeza do cargo. Recebi ainda nesta semana, um ‘pito’ de um dos maiores intérpretes dessas mal traçadas linhas. Certamente um exigente leitor. “Você está azedo e com visível impaciência com nosso Legislativo”, disse-me ele. Mas observou em seguida: “Não encontrei nada que justifique o contrário dentro dessa Legislatura”. Ou seja, continuamos pobres e desprovidos de cérebros políticos. Essa miserabilidade mental é agressiva e nos faz mal.

A CÂMARA DE VEREADORES é como um pato morto em pleno voo, diante de caçadores impiedosos. Voa baixo, sem qualidade e inimaginando qualquer destino. Não tem caminho, rota ou orientação. Parte do nada e pouco se importa se vai chegar a lugar nenhum. É a velha política do tanto faz. Uma pena. Ainda é o Poder que mais próximo está do cidadão comum. Falta-lhe tão somente competência, consciência e capacidade. Se mal ou bem traduzida para o português caboclo, já nos presenteou com servilismo, homofobia, negativismo e outros ‘ismos’ de péssima categoria. Sim, já fomos melhores representados. Hoje, somos apenas testemunhas que Esquerda e Direita se merecem.

HÁ UM CRIME E UMA DESOBEDIÊNCIA em andamento. Duda Hidalgo, uma quase menina eleita pelo PT, desobedeceu a subserviências mal escritas. Viajou com o carro oficial para tratar de assuntos políticos e zelar pela carreira pessoal. Corre o risco de ser expurgada dessa escoalha. Castigo mais exagerado do que merecido. Bastava-lhe repor o que fosse prejuízo e registrar um falso pedido de escusas. Não considerou nenhuma das hipóteses. Seus ‘algozes’ da tal Comissão de Ética elevaram o tom de voz e prometem independência no julgamento. Todos, indistintamente, estão apenas seguindo o rito da hipocrisia. Há colegas vereadores que fazem bem pior que isso. Alguns, com parentescos na capital paulista, solicitam e são atendidos para passeios aos finais de semana. Criam, inventam e recriam encontros que nunca acontecem.

DE JOELHOS PERANTE A SOCIEDADE, essa mesma Câmara ainda não se revelou ou se pronunciou diante do crime de estelionato e peculato cometido pelo também neófito vereador Sérgio Zerbinato, PSB. Em gravação que já está em poder da Justiça, ele obriga funcionários de seu gabinete a devolver parte de salários para a sub existência da própria irmã e cunhado. Não é desobediência, é crime – perante a Lei. Paciência tem limite.

(Jornalista e escritor das antigas, que tenta enxergar o Brasil sem miopia política ou catarata social. É um teimoso profissional, alguém que ainda acredita que dias melhores virão; mas sabe que o pior sempre vence a corrida da tragédia. “O ser humano precisa ser reinventado, essa geração não deu certo”, confissão que o autor jura ter ouvido de Deus)

Nenhuma postagem para exibir