Cala a boca já morreu…

Foto: Reprodução

Bolsonaro já pode trocar de versículo bíblico. Desde o início de seu desastrado e falimentar governo ele vem citando o Evangelho de São João: ‘conhecereis a verdade e a verdade vos libertará’. A verdade, bíblica, científica e social, é que ultrapassamos a casa de meio milhão de mortes por Covid 19. Traduzindo: a verdade é que o capitão presidente se transformou no maior genocida do século 21. Ele e seus pimpolhos desajuizados devem estar festejando a maldade.

Voltemos ao palco da religião. Bolsonaro nem precisa fugir do Evangelho de São João. Basta citar “que na Casa de meu Pai há muitas moradas”. Mais de 500 mil mortos, por enquanto, já estão garantidos em moradas de cova rasa. Poucos por falta de vacinas – as mesmas que Brasília desdenhou e o presidente fez questão de ironizar – outros tantos por ausência de políticas públicas – e sabe-se lá quantos mais por inércia de um governo abúlico e mal-intencionado. O resultado desastroso todos conhecemos.

Bolsonaro descumpre a lei. Provoca aglomerações inúteis quando caminha entre seguidores fanatizados; ignora a utilização de máscaras; descumpre leis e regras; nega a gravidade da pandemia e por aí segue. Agora, cada vez mais se distanciando da ciência e da verdade, prenuncia criminosamente que “deixar-se infectar pela doença é melhor do que tomar vacina”. Não custa lembrar que o Brasil está na 71º posição entre as nações que (mal) investiram na vacinação. Agora, até mesmo o médico civil desfila fardado, ostentando um uniforme que nem lhe explicaram para que serve.

E como de hábito, quando é contestado, Bolsonaro foi à forra ontem mesmo. Cercado pelos bajuladores de sempre, e aproveitando-se da fragilidade de uma equipe de reportagem, anunciou que a “Rede Globo é canalha” e infestada de “jornalistas canalhas”. Com o mesmo entusiasmo, criticou a rádio CBN. Lógico que ele não ofende apenas a essa ou aquela emissora de comunicação. O recado é para todos nós, jornalistas, principalmente, que não rezam na cartilha inescrupulosa do Planalto.

Não contente, aparentando o natural desequilíbrio de sempre, o presidente elevou o tom de voz e berrou um “CALA A BOCA” à inocente repórter. Aliás, sua especialidade é atacar mulheres publicamente. Ainda não totalmente feliz, tirou a máscara e diz não dever satisfações a ninguém. Estranho. Hoje seria um dia de paz e calma para quem já subjugou mais de 500 mil mortos, por conta de uma “gripezinha”. Ou será que a investigação sobre seu filho Flávio e a filiação da filha do guru Olavo de Carvalho ao PT arruinaram o dia do presidente?

Nenhuma postagem para exibir