Zona laranja light prejudica bares, mas mantém intacto funcionamento dos demais setores

Reclassificação foi anunciado pelo governador João Doria e rebaixou região de Ribeirão; confirma o que muda

Continua depois da publicidade

A reclassificação da região de Ribeirão Preto para a zona laranja do Plano São Paulo, teoricamente mais restritiva, deverá impactar diretamente apenas bares, que foram o único setor impedidos de funcionar. Graças a uma “maquiagem” feita nas regras do Plano, os demais estabelecimentos poderão continuar abertos como se estivessem na zona amarela.

O Plano São Paulo é dividido em cinco fases que vão do nível máximo de restrição de atividades não essenciais (Vermelho) a etapas identificadas como controle (Laranja), flexibilização (Amarelo), abertura parcial (Verde) e normal controlado (Azul). O plano divide o estado em 17 regiões e cada uma delas é classificada em uma fase do plano, dependendo de fatores como a capacidade do sistema de saúde e a evolução da epidemia.

A mudança para a fase laranja, entretanto, significará pouca alteração no cotidiano das pessoas. Isso porque o governo estadual mudou os critérios e, com isso, todas as atividades permitidas na Fase Amarela agora também poderão funcionar na Fase Laranja. O atendimento presencial em bares, no entanto, está proibido nos municípios classificados na etapa laranja e com limite de horário até as 20h na Fase Amarela.

Na fase laranja, academias, salões de beleza, restaurantes, cinemas, teatros, shoppings, concessionárias, escritórios e parques estaduais podem funcionar por até oito horas diárias, com atendimento presencial limitado a 40% da capacidade e encerramento às 20h. O consumo local em bares está totalmente proibido.

Necessidade

Segundo o governador de São Paulo, João Doria, a reclassificação foi uma medida preventiva necessária. “A situação vem se agravando a cada semana. Medidas são para evitar a superlotação de hospitais e unidades de terapia intensiva e falta de atendimento necessário para salvar vidas”, explicou.

O secretário estadual da Saúde, Jean Gorinchteyn, lembrou que o estado de São Paulo teve, esta semana, um aumento de 5% no número de casos em relação à semana anterior, com uma média diária superior a 10 mil novos casos por dia, batendo um novo recorde. Além disso, segundo o secretário, houve aumento de 2% no número de óbitos e de 10% no número de internações, indicador que mais preocupa o governo porque revela o estado atual da pandemia no estado.

“As internações são dados atualizados da dinâmica e da circulação do vírus na nossa população”, disse.

Dados

No momento, 65% dos leitos de unidades de terapia intensiva (UTI) estão ocupados em todo o estado. Considerando-se somente a Grande São Paulo, a ocupação está em torno de 69%.

“Precisamos ainda restringir mais horários e serviços. Só assim diminuiremos o número de casos e de pessoas com agravamento de saúde e que vão necessitar de acolhimento em UTIs”, disse o secretário.

Nenhuma postagem para exibir