Sem aval do governo de SP, Nogueira anuncia plano para volta às aulas e autoriza abertura de bares

Plano foi anunciado pelo prefeito Duarte Nogueira; volta às aulas começa em 21 de setembro

Prefeito Duarte Nogueira (PSDB) em entrevista coletiva - Foto: Eduardo Schiavoni

O prefeito Duarte Nogueira (PSDB) anunciou, nesta sexta-feira (11), um plano para a retomada das aulas com atividades presenciais a partir de 21 de setembro. A medida, entretanto, coloca novamente o prefeito em rota de colisão com o governo do Estado de São Paulo, que afirmou que qualquer plano nesse sentido só pode ser realizado a partir do dia 9 de outubro.

Pelo decreto, a retomada será iniciada com a rede particular, sendo que, na rede municipal, as aulas seguem suspensas no mínimo até o inicio de outubro.

A divergência acontece devido à interpretação, adotada pelo prefeito Duarte Nogueira, que considera que a cidade permaneceu, nesta semana, na zona amarela do Plano São Paulo. Para o governo do Estado, Ministério Público e para a Justiça, além de outras cidades da região, entretanto, a cidade esteve na zona laranja.

“Os prazos foram zerados e começam a contar a partir de sábado”, informou a assessoria de imprensa do governo estadual.

No decreto que regulamenta a volta às aulas, publicado nesta sexta, o prefeito usa a palavra “manutenção” na fase amarela. Na verdade, segundo o governo do Estado, houve uma nova classificação. “Ribeirão Preto foi mantida na amarela. Essa é a interpretação que nós temos e aquela que foi levada em consideração para produzir os nossos decretos.”

Nogueira informou, ainda, que aguarda a publicação da nota técnica da reunião do Plano São Paulo, que deve ocorrer no sábado, para definir como pretende lidar com a questão.

Sertãozinho

Em entrevista ao Grupo Thathi de Comunicação, o prefeito de Sertãozinho, Zezinho Gimenez (sem partido), confirmou a versão do Estado. “O pedido de Ribeirão, de reclassificação, não foi atendido pelo governo do Estado. Ele foi negado. O que houve foi a união de todos os prefeitos da região, que foram a São Paulo e conseguiram que o governo mudasse alguns critérios e promovesse a região para a fase amarela. Foi uma conquista de todos, não teve nada a ver com o pedido do Nogueira”, contou.

Nas redes sociais, o prefeito havia informado que a decisão que mudou a cidade de faixa teria ocorrido por conta de um pedido de revisão protocolado pela cidade. O governo de São Paulo, mais uma vez, negou essa informação, mantendo que não houve reversão da decisão anterior, tomada em 4 de setembro, mas sim uma nova avaliação seguida de mudanças no Plano São Paulo.

Bares

A mesma questão terá que ser respondida, pelo governo municipal, no que se refere à abertura de bares no período noturno. Pelas regras do Plano São Paulo, só pode ocorrer a abertura depois de 14 dias ininterruptos que a região estiver na zona amarela.

Como, segundo o governo do Estado, houve uma mudança na classificação, os bares só poderiam abrir no período noturno daqui duas semanas.

Nenhuma postagem para exibir