Sem aulas, prefeitura prorroga contrato de recepção e portaria das escolas municipais

De acordo com Felipe Elias Miguel, secretário de Educação, a prorrogação ocorreu devido um atraso da nova licitação para a contratação deste mesmo serviço

Imagem ilustrativa de uma sala de aula vazia - foto: Contexto

Sem aulas nas escolas desde 23 de março, a Prefeitura de Ribeirão Preto decidiu prorrogar, ao custo de R$ 346 mil, o contrato de prestação de serviços para contratação de porteiros e recepcionistas de escolas da rede municipal. A publicação do contrato estendido foi feita nesta segunda-feira (17) e o prazo da prorrogação é de 30 dias.

Segundo o contrato original, feito ainda na administração Dárcy Vera, estão inclusos serviço de copeiragem, zeladoria, portaria e recepção das escolas da rede municipal.

Segundo o governo de São Paulo, as aulas devem permanecer suspensas, no mínimo, até a segunda semana de setembro. É possível, entretanto, que o prazo seja ainda maior, a depender do avanço da pandemia no estado. 

Segundo o secretário de Educação, Felipe Elias Miguel, a prorrogação ocorreu por conta do atraso da nova licitação para a contratação deste mesmo serviço. “Esse contrato foi prorrogado até que a gente conclua uma outra licitação que a gente está fazendo com o mesmo objeto”, disse o secretário. “Optamos por prorrogar por 30 dias até que a gente conclua essa licitação”, disse.

Demanda

Ainda de acordo com o secretário, o atendimento ao público está ocorrendo nas escolas. “A gente analisou a não-prorrogação dos contratos, mas, a hora que analisamos algumas situações de escolas, optamos por fazer a prorrogação. Essas pessoas, por exemplo, estão entregando os materiais para os alunos”, disse.

Procurada, a prefeitura de Ribeirão Preto não se pronunciou sobre os motivos que levaram à prorrogação do contrato até a publicação desta matéria. Quando isso ocorrer, o texto será atualizado.

Nenhuma postagem para exibir